Austeridade, Brasil, Desigualdade / Inequality, Vida

Sobre mim e outras coisas

Minha vida ocorreu desde sempre entre muitas, infinitas idas a médicos. Cheia de exames e remédios, erros e acertos para descobrir “o que eu tinha”. Lá pelos quatro anos descobriram que eu não retinha cálcio, algo meio raro, mas depois de já terem falado coisas muito piores para meus pais, isso deve ter sido um alívio. Desde a adolescência eu achava que eu talvez tinha que fazer medicina, porque eu me sentia de certa forma em débito com os médicos. Mas, no fundo, eu sabia que tinha um problema maior e anterior a isso. Um problema que não era comigo, com meus genes, ou com a minha perna. Os médicos e medicamentos já existiam e a ciência continuaria avançando, mas permanecia no ar um problema gigantesco. O problema estava naquelas outras dezenas, centenas de crianças que coexistiram comigo nos corredores dos hospitais, da AACD, com problemas muito mais graves, e que dependiam de caridade para chegar até o hospital, para ter remédios e para sobreviver. O problema estava naqueles pais que não podiam sequer pagar transporte, muletas, cadeira de rodas, quanto mais dar um presente ou um passeio ao filho que passou por uma bateria de exames, como os meus pais sempre puderam fazer por mim. Foi essa injustiça que habitou minha cabeça desde criança e eu entendi rapidamente que tudo estava terrivelmente errado. Posso dizer que foi por causa da minha perna e da história que ela carrega que eu fui fazer economia. Para lutar contra a distorção absurda que advém da conta bancária, e que nos divide entre quem pode usufruir das descobertas e construções da COLETIVIDADE humana e sobreviver, e aqueles aos quais os médicos, tratamentos, comida, moradia e transporte são simplesmente negados. Não precisei de doutrinação esquerdista porque isso me deu consciência de classe.

Não posso enumerar quantas vezes eu devo ter usado o SUS e quantas dessas crianças que eu conheci sobreviveram graças a ele. Também não posso calcular o quanto de dinheiro meus pais gastaram por causa disso, se somados convênios, consultas particulares, remédios mensais, exames e cirurgias. Só sei que foi o suficiente para que eles decidissem não ter outro filho, pois seria inviável. Atualmente, com menos de 30 anos, por causa da existência dessa única doença, meu convênio custa aproximadamente R$900 por mês, cobrindo bem pouca coisa. Cada vida tem um preço, cada vida tem um valor. Isso por si só já seria o suficiente para me deixar com raiva.Todos os meses quando eu vejo esse valor eu só consigo pensar nas pessoas que carregam essa herança genética e que ganham perto de um salário mínimo. Onde elas estarão? Elas sobreviveram? Penso também o quanto esse convênio estará custando quando eu tiver uns 50 anos e se eu conseguirei um dia pagar isso sem ajuda de outras pessoas. Hoje em dia, um dos remédios eu posso pegar de graça pelo governo (esse ente malvado). Até quando eu terei essa mamata? Planos de saúde são a máfia mais escrota com a qual eu tenho o desprazer de conviver. Fazem lobby diariamente para não pagar sua dívida bilionária com o SUS, e nesse governo ilegítimo estão conseguindo ampliar cada dia mais a sua margem de manobra para não cobrirem coisas e não serem alvo de reclamações na justiça. Não existe capitalismo ético. Lucro é lucro, saúde é saúde, e o objetivo deles é só o primeiro.

Talvez por tudo isso eu fique duplamente nervosa e ofendida quando vejo comentários de “colegas” economistas ortodoxos defendendo austeridade fiscal e essas reformas bizarras como sendo “sinal de responsabilidade” ou alguma merda assim, sem entender o que na prática elas significam. Tem que ser muito alienado ou muito psicopata para tratar pessoas como números, para dizer que um país tem que ter dívida zero e cortar na carne dos mais pobres, ou ainda para achar que seres humanos podem sentar, hibernar e esperar o ajuste mágico da mão invisível, que, aliás, não existe. Primeiro, isso é não entender economia, e infelizmente regredimos tanto que essa visão ortodoxa de hoje seria consensualmente absurda há 50 anos atrás. Segundo, é gostar MUITO de defender gente rica e ser muita massa de manobra teórica para político, empresário e banqueiro. Terceiro, é não ter alma, é não saber nada da pobreza e do que é passar necessidade e não ter como suprir. Gostaria de saber se as pessoas vão poder pegar remédios e fazer exames na casa dos economistas, políticos e empresários que foram a favor da PEC. A insanidade da austeridade está acabando com as farmácias populares já, e vai acabar com o SUS, que é uma conquista histórica do Brasil, reconhecida mundialmente, gostem ou não. Por sua vez, os planos de saúde vão até o limite do que eles puderem usurpar das poucas pessoas que tiverem condições de pagar. No economês, vão maximizar lindamente a sua nova curva de lucro. Pra completar, a Deforma Trabalhista vai acabar com a única possibilidade que muita gente tinha de ter um plano de saúde decente, que era por meio dos acordos dos sindicatos com as empresas, que serão brutalmente enfraquecidos agora.

Então, diante de mais um ataque no senado hoje, eu só queria lembrar mais uma vez que aqueles que ainda defendem essas reformas e a austeridade, defendem a morte. Simples assim. Diante dos nossos olhos a fome está voltando, a desigualdade está aumentando. Todos os dias vejo mais pessoas no quarteirão da minha casa revirando o lixo e voltando ao trabalho informal. Isso não é “uma etapa para arrumar a casa”. Isso é a casa arrumada para as elites, resultado de escolhas políticas autoritárias e oligárquicas. Escolhas respaldadas por uma teoria econômica ultrapassada, que se vale de forma simplista e equivocada do conceito de evolução e de uma noção igualmente equivocada de indivíduo egoísta. O indivíduo necessita da coletividade. Permitir que apenas quem tem mais dinheiro sobreviva não é natural, não é desejável. É uma escolha e é socialmente insana. Não é evolução no sentido biológico, muito menos no sentido moral. A mão invisível e a confiança do empresariado não virão ajustar tudo para o “ponto de equilíbrio” e salvar a todos, sinto muito. Vocês são apenas um grupo de pessoas que não entendem nada da vida, detentores de poder, político e teórico, escolhendo construir o caminho mais rápido para a barbárie e para a extinção da própria espécie.

Brasil, Congresso, Desigualdade / Inequality, Economia, Reforma Trabalhista

Homens Primatas, Capitalismo Selvagem

(Publicado em Outras Palavras)

Na sexta-feira dia 28 o país passou pela sua maior greve em 30 anos, a primeira greve geral contra as reformas trabalhista e previdenciária[1]. Em consulta popular feita pelo Senado, mais de 95% dos votantes se mostraram contra a reforma trabalhista[2], bem como 80% reprovam a lei da terceirização plena, 93% são contra o aumento da idade para aposentadoria, e a popularidade de Michel Temer beira os 5%[3]. Não é de se espantar tamanha rejeição, uma vez que as propostas recentes têm sido tão abjetas, que parece que os capitalistas brasileiros esqueceram que a sobrevivência do próprio capitalismo depende dos trabalhadores. No entanto, aqueles que insistem em defender as reformas se valem de alguns espantalhos da legislação, de antigas falácias e do discurso de terra arrasada para justificar uma retirada absurda de direitos, cujo único objetivo real é exacerbar a concentração de riqueza no topo da pirâmide. Para alguns economistas, a opinião da população deve ser desconsiderada, sob a alegação de que ela não tem a expertise necessária para entender as reformas. Isto é, os 96,3%[4] das pessoas ocupadas, que não são empresárias, e que terão seus direitos subtraídos e sua vida profundamente alterada, têm sua voz e sua luta ridicularizadas a priori.

Por outro lado, a grande maioria dos economistas famosos, defensores das reformas, nunca teve que se preocupar com coisas menores, como subsistência, e geralmente detém participações e investimentos milionários em empresas e fundos, cujo conflito de interesses deveria colocar sempre sob suspeita suas opiniões. No entanto, tais economistas têm espaços garantidos na grande mídia para desfilarem seu douto conhecimento isento em prol da retirada de direitos alheios. Foi o que fez essa semana, para o Globo, o ex-presidente do Banco Central, Gustavo Franco[5], em artigo que termina com uma pérola ditatorial: “nenhuma boquinha terminou no Brasil sem certa dose de esperneio e gás lacrimogêneo. A sexta-feira que passou foi dedicada a isso. Vida que segue”. Apesar de ter sido bastante visceral em sua fala, os economistas ortodoxos, como Franco, em geral são mais afeitos à impessoalidade calculista e à representação matemática da realidade, por poderem usar números que melhor lhes convêm, permanecendo sob o véu da isenção matemática. Assim, gostaria de expor aqui alguns números.

Enquanto Franco nos lembra que a Justiça do Trabalho teve um custo de R$9,1 bilhões em 2015, gostaria de lembrar que a mesma Justiça do Trabalho viabilizou aos trabalhadores o pagamento de mais de R$33 bilhões de reais no biênio 2014/2015 em créditos trabalhistas[6]. Não houvesse Justiça do Trabalho, os mesmos R$33 bilhões permaneceriam sendo lucro do empregador e os trabalhadores jamais veriam esse dinheiro. A mesma Justiça do Trabalho também resgatou R$5 bilhões de reais para os cofres públicos no mesmo biênio, a título de custas e contribuições previdenciárias, cuja sonegação recorrente de grandes empresas é um dos motivos do alegado rombo da previdência. É óbvio que a Justiça do Trabalho, como todo o Judiciário é oneroso em seus altos escalões e ninguém está dizendo que isso não deva ser discutido. Acontece que isso não é nem um arremedo de argumento para justificar a extinção do papel da Justiça do Trabalho, muito menos em um país que tem por ano, aproximadamente, 700 mil acidentes de trabalho (subnotificados)[7], que nos últimos 20 anos resgatou mais de 50 mil pessoas em condições análogas à escravidão[8] e cujas empresas acumulam R$426 bilhões somente em dívidas previdenciárias[9].

 

Mito da flexibilização, modernização e aumento de empregos

É imperativo desmistificar a ideia tão alardeada de que os empregadores demandariam mais trabalhadores por não estarem pagando direitos trabalhistas. Na verdade, o processo não parte da diminuição de custos para chegar ao aumento da produção, e sim o inverso. O empregador precisa de empregados para produzir e responder à determinada demanda, e ele vai se esforçar para pagar o mínimo àqueles empregados, dentro das regras do jogo, ou ainda pagando alguns deputados para mudarem as regras do jogo. Por acaso temos atualmente uma taxa de desemprego sistematicamente maior ou uma produção sistematicamente menor por termos leis mais humanas do que na época da escravidão? É absurdo que tenhamos que fazer esse exercício retórico, mas parece que algumas pessoas estão acreditando nesse argumento surreal. É óbvio que trabalhadores são demandados de acordo com a necessidade da produção, sendo que a não existência de direitos trabalhistas garante inclusive que o empregador tenha uma margem de manobra maior para aumentar as horas dos trabalhadores já contratados, sem pagar a mais por isso, antes de pensar em contratar mais gente.

O fato da mão-de-obra se tornar mais baratos para o patrão não vai gerar mais empregos por pelo menos três motivos lógicos, que se respaldam em diversas evidências históricas: 1) Por que seriam demandados mais trabalhadores a um custo menor se não houvesse para quem vender o aumento de produção? 2) Se os trabalhadores tiverem seus salários diminuídos, e uma rotatividade e insegurança maior em seus empregos, eles diminuirão seu consumo, aumentarão o endividamento e a inadimplência. Isso afeta a demanda, que depende da demanda externa, mas principalmente da demanda dos próprios trabalhadores. 3) A única possibilidade minimamente positiva seria se a falta de leis acarretasse diminuição de preços, por menores custos. No entanto, novamente, os trabalhadores teriam seu salário diminuído, então se os preços diminuírem, na verdade, o salário real da população só se manteve igual, não acarretando aumento de demanda e precarizando as suas condições iniciais. Ou seja, de imediato, as certezas que se colocam com essa reforma estrutural são: (i) a precarização, instabilidade e destruição de direitos por um longo prazo, (ii) o aumento de horas trabalhadas e de condições degradantes, (iii) o aumento de lucro de 3% da população economicamente ativa, que é empregadora; e (iv) deixa como opção a diminuição de salário real ou, na melhor das hipóteses, a estabilidade do salário real.

Outra falácia comum da ortodoxia é de que a maior flexibilidade, como a implementação do contrato de zero horas (no qual o trabalhador é permanentemente contratado como temporário, sem horas definidas), facilitaria o ajuste ao aumento ou diminuição da produção. Sim, o sonho de todo o empregador é poder mandar um whatsapp para o empregado e ele se materializar com sua força de trabalho a postos. Ninguém considera nesse cenário a instabilidade brutal a que estarão sujeitos os mais pobres, já precarizados, e a total devoção que os trabalhadores terão de ter daqui para frente para atender aos diversos chamados dessincronizados dos seus múltiplos empregos. Ou melhor, isso foi sim considerado. Para não prejudicar os patrões, o empregado poderá pagar multa caso não consiga comparecer ao trabalho, seja por qual motivo for. Realmente, a confiança dos empresários estará garantida, já a do trabalhador, quem se importa? Sempre há uma fila de precarizados à disposição e o importante é que estaremos deixando o mercado se auto-ajustar com eficiência. Nenhum desses mitos é novo e são inúmeros os estudos, inclusive do insuspeito FMI, que demonstram a incoerência e inveracidade desses argumentos. Movimentações no sentido da flexibilização já foram implementadas no país nos anos 1990, sob a mesma retórica, provocando aumento do desemprego e da desigualdade. A taxa de rotatividade no Brasil é de 46%, uma das mais altas do mundo, e o salário no ano passado registrou patamares menores do que na China, desmistificando também a ideia de que a legislação impede o ajuste do mercado e de que os salários são altos[10].

No âmbito das propostas dos ruralistas à reforma, os absurdos conseguem atingir proporção ainda mais dantesca. Estamos no ano de 2017, creio eu, mas o presidente da bancada ruralista, Nilson Leitão (PSDB), pode vir à público, sem constrangimento algum e propor na Câmara dos Deputados que trabalhadores rurais (14% da população ativa[11]) possam receber moradia e alimento em vez de salários, que possam trabalhar por 12 horas por dia (no campo!), e por 18 dias seguidos, sem folga, dentre outras crueldades inomináveis. Então, vamos explicitar a lógica dessas pessoas, que convivem no mesmo espaço-tempo que nós: alegam que as leis são atrasadas, mas almejam modernizá-las para o século XVII; se existe um alto grau de informalidade, em vez de aumentar a formalidade, como vinha sendo feito[12], desejam institucionalizar a falta de direitos para todos; se temos muitos processos trabalhistas, extinguimos a Justiça do Trabalho; se temos todos os anos resgate de pessoas dormindo em tapumes, sem receber salários, submetidas a jornadas exaustivas e pedindo restos de comida[13], a solução é submeter um projeto de lei legalizando o trabalho escravo.

O mito do imposto sindical

Deixo como referência o texto de Jorge Souto Maior[14], juiz do trabalho, para o aprofundamento em detalhe das demais atrocidades da reforma, mas creio que é necessário aqui discutir um último mito, que foi o principal artifício para desmobilizar e difamar a greve do dia 28, o Imposto ou Contribuição Sindical. Gustavo Franco, em seu artigo já mencionado, ignora ou finge ignorar todos os profundos e reais retrocessos que a reforma garante aos trabalhadores e alega que a greve foi destinada a garantir a boquinha dos sindicatos e por isso era normal haver esperneio e gás lacrimogêneo. A desonestidade intelectual já fica explícita uma vez que a greve geral foi convocada em 27 de março, e a proposta de acabar com o imposto sindical só foi incluída no parecer de Rogério Marinho em 12 de abril[15]. O argumento é ainda mais risível, uma vez que a CUT e o Ministério Público do Trabalho, participantes ativos da greve geral, são historicamente contra o Imposto Sindical[16]. Mesmo porque as grandes centrais não são dependentes dessa fonte de financiamento, assim como não o são as grandes confederações patronais (FIESP, CNI, CNA, FIRJAN, CNC). E por isso podem defender de peito aberto o fim da contribuição sindical e da contribuição patronal[17]. Para a FIESP, por exemplo, o valor da contribuição patronal representa apenas 10% do seu orçamento, pois na verdade, as confederações sobrevivem de um desvio de recursos públicos muito maior, por meio do sistema S (SESC, SENAI, SENAC, SENAT etc.). Enquanto as contribuições sindicais equivalem a R$2,1 bilhões ao ano, as patronais equivalem a R$934 milhões, e as receitas do sistema S, a R$16 bilhões[18].

Ainda à luz desses dados, o fim das contribuições, sindical e patronal, gerou mais tensões dentro da base do próprio governo do que na motivação das pessoas que foram às ruas contra as reformas. Skaf a princípio se colocou contrário a perder esses milhões por ano e solicitou almoço com o relator Rogério Marinho para discutir o tema[19], em seguida calculou que seria melhor se colocar contra o imposto sindical para difamar a greve e continuar sobrevivendo de recursos do sistema S. Ronaldo Nogueira (PTB), atual ministro do trabalho, também se viu traído pela medida, uma vez que R$582 milhões da contribuição vão para o Ministério do Trabalho. Por fim, o impacto da extinção desse imposto irá inviabilizar diversas entidades sindicais menores e, caso as reformas passem, não se sabe se o efeito disso será ainda mais catastrófico, em um cenário de prevalência do negociado sobre o legislado. Fato é que a greve não teve de forma alguma como principal reivindicação a permanência do imposto sindical, mas sim a permanência de direitos básicos, que estão sendo retirados noite e dia a canetadas por um governo ilegítimo.

 

Alguns outros números relevantes

296 é o número de deputados[20] que votaram a favor da reforma que irá modificar a vida de milhões de trabalhadores. 3 é o número de exonerações que Temer promoveu como retaliação aos deputados que votaram contra[21], pois é assim que um patrão negocia. 153 é o número de emendas redigidas por lobistas patronais que foram aceitas na reforma[22]. 0 é o número de emendas escritas por trabalhadores. Centenas de milhares de reais é o que empresas devedoras doaram às campanhas dos deputados para que eles fizessem uma reforma trabalhista. 2 foi o número de vezes que Rodrigo Maia permitiu que votassem o caráter de urgência dessa reforma, até que conseguissem. 844 foi o número total de emendas apresentadas, que irão mudar a vida dos mais pobres e que foram votadas sem transparência nem diálogo, em menos de uma semana[23]. 21 é o número de trabalhadores que foram resgatados essa semana em Goiás, trabalhando 14 horas por dia, dormindo no chão, sem água, sem energia, com salários atrasados em mais de 2 meses, e pedindo sobras de carne nos açougues e comida para os vizinhos[24]. De cada 10 pessoas resgatadas em trabalho escravo, 9 são terceirizadas[25]. Ao menos 10 pessoas que não eram sindicalistas defendendo uma boquinha, foram gravemente feridas exercendo seu direito de manifestação no RJ. 1 bomba de gás foi jogada no rosto de um estudante, que estava saindo da manifestação[26]. 1 bala de borracha acertou o olho do filho de um Policial Militar, que pode perder a visão[27]. 21 pontos no pescoço levou uma bibliotecária atingida por uma bala de raspão[28]. 178 países assinaram convenção internacional que classifica gás lacrimogêneo como arma química, mas ele pode ser usado em manifestações[29]. Com 14 anos começou a trabalhar o estudante, que estava se dispersando da manifestação, quando foi atingido com um golpe na cabeça por um capitão da PM.

Com certeza, Gustavo Franco nunca teve que passar por agressões da PM exercendo seu direito de se manifestar. Ele, assim como Temer, Rogério Marinho, Henrique Meirelles, Skaf, e todos esses personagens, sabem muito bem o jogo de forças que sempre esteve posto, e que está se acirrando a cada dia, o jogo dos poderosos, que já nascem com suas boquinhas garantidas e sempre querem ganhar mais, contra os trabalhadores, que sempre tem que lutar pela sobrevivência e para não perder direitos. Não podemos admitir é que os trabalhadores caiam em uma retórica, retrógrada até para os padrões de um século atrás, de que não é possível conciliar direitos e vida digna para os trabalhadores com emprego para todos. Uma retórica tortuosa e desonesta que sempre insinua que garantir a dignidade dos mais vulneráveis e tratar o trabalhador como hipossuficiente perante a lei é trata-lo como coitadinho, enquanto permitir que a desigualdade e precariedade assole o país é tratar o trabalhador com dignidade. Nesse contexto, mais alguns números para o debate. Nenhuma classe dominante jamais abriu mão de seus privilégios por vontade própria e nenhum direito trabalhista foi conquistado por abaixo assinado. A sexta-feira que passou foi dedicada a isso. Luta que segue.

[1] https://www.cartacapital.com.br/politica/depois-da-greve-geral

[2] http://www.redebrasilatual.com.br/trabalho/2017/05/consulta-publica-senado-95-por-cento-contestam-%20reforma-trabalhista

[3] https://www.cartacapital.com.br/politica/rejeicao-as-reformas-de-temer-beira-a-unanimidade-aponta-pesquisa

[4] http://brasilemsintese.ibge.gov.br/trabalho/posicao-na-ocupacao.html

[5] https://oglobo.globo.com/economia/reforma-trabalhista-so-comeco-21278054

[6] http://justificando.cartacapital.com.br/2016/06/20/justica-do-trabalho-e-primeiro-alvo-de-falacias-em-tempos-de-crise-economica/

[7] http://epocanegocios.globo.com/Brasil/noticia/2017/01/numero-de-acidentes-de-trabalho-cai-mas-especialistas-veem-subnotificacao.html

[8] https://economia.uol.com.br/empregos-e-carreiras/noticias/redacao/2015/05/13/em-20-anos-49-mil-trabalhadores-foram-resgatados-de-trabalho-escravo.htm

[9] http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2017-02/devedores-da-previdencia-devem-quase-tres-vezes-o-deficit-do-setor

[10] http://brasildebate.com.br/6-mitos-da-reforma-trabalhista/

[11] http://brasilemsintese.ibge.gov.br/trabalho.html

[12] https://nacoesunidas.org/numero-de-trabalhadores-sindicalizados-no-brasil-atinge-maior-patamar-desde-2004-segundo-ibgeoit/

[13] http://www.capitalteresina.com.br/noticias/brasil/trabalhadores-sao-resgatados-em-condicoes-analogas-a-de-escravos-50696.html

[14] http://www.jorgesoutomaior.com/blog/a-quem-interessa-essa-reforma-trabalhista

[15] https://charlesbruxel.jusbrasil.com.br/artigos/453563112/mito-ou-realidade-o-fim-do-imposto-sindical-e-o-verdadeiro-motivo-da-greve-geral?ref=topic_feed

[16] http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/TRABALHO-E-PREVIDENCIA/206140-CUT-E-MINISTERIO-PUBLICO-DO-TRABALHO-DEFENDEM-FIM-DO-IMPOSTO-SINDICAL.html

[17] http://www.intersindicalcentral.com.br/vitor-hugo-tonin-cara-de-pato/

[18] http://www.valor.com.br/politica/4950364/o-desmonte-parcial-do-corporativismo

[19] https://www.cartacapital.com.br/blogs/cartas-da-esplanada/por-pressao-dos-patroes-temer-pode-vetar-fim-da-contribuicao-sindical-1

[20] https://www.cartacapital.com.br/blogs/parlatorio/reforma-trabalhista-como-votaram-os-deputados

[21] http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2017/05/1880333-temer-demite-indicados-de-infieis-que-votaram-contra-a-reforma-trabalhista.shtml

[22] https://theintercept.com/2017/04/26/lobistas-de-bancos-industrias-e-transportes-quem-esta-por-tras-das-emendas-da-reforma-trabalhista/

[23] http://agenciabrasil.ebc.com.br/politica/noticia/2017-04/reforma-trabalhista-recebe-844-emendas-relatorio-deve-ser-apresentado-na

[24]http://www.capitalteresina.com.br/noticias/brasil/trabalhadores-sao-resgatados-em-condicoes-analogas-a-de-escravos-50696.html

[25] http://cartacampinas.com.br/2017/03/terceirizacao-de-cada-10-pessoas-resgatadas-do-trabalho-escravo-9-sao-da-terceirizacao/

[26] http://extra.globo.com/noticias/rio/estudante-passara-por-cirurgia-apos-ser-atingido-por-bomba-de-gas-em-protesto-no-rio-covardia-21280657.html

[27] http://extra.globo.com/noticias/rio/filho-de-pm-pode-ficar-cego-apos-ser-atingido-por-bala-de-borracha-em-manifestacao-21289705.html?utm_source=Twitter&utm_medium=Social&utm_campaign=Extra

[28] http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/ferida-por-bala-de-borracha-em-protesto-no-rio-levou-21-pontos-no-pescoco.ghtml

[29] http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2017/05/1880115-por-que-o-gas-lacrimogeneo-e-usado-em-protestos-mas-proibido-na-guerra.shtml

Desigualdade / Inequality, Política, Sociologia, Tempo e História, Vida

Indivíduo e História (ou porque estudar história importa)

Eu ando pensado muito no nosso tempo de vida versus o tempo histórico, deve ser a idade. Também deve ser porque acho que grande parte da nossa ansiedade vem do fato de que o cotidiano se acelera cada vez mais, mas a história ainda tem o seu tempo próprio. Como fazer um debate evoluir de uma geração pra outra, fazendo com que um ponto mínimo de consenso ultrapasse o ponto mínimo anterior de consenso? Como passamos de uma geração que achava a escravidão normal para uma que não acha? Como passaremos de uma geração que se preocupa mais com violência dos manifestantes para uma que se preocupa mais com violência de Estado ou com a violência da desigualdade?

O papel das instituições dominantes é crucial em fazer uma geração desconhecer ou ignorar o que a outra conquistou e como ela conquistou, justamente porque isso retarda o ponto de partida das discussões, que ficam fragmentadas em indivíduos e episódios, mas que na verdade fazem parte de um longo processo histórico único. Essas discussões sobre greve, piquete, direito de ir e vir, coletivismo versus individualidade, violência nas manifestações versus violência estatal cotidiana, elas são as mesmas pelo menos desde a revolução francesa, e com variações, desde que existe Estado. Eu leio uns livros do século XVIII e parece que estou lendo as discussões do facebook, só que escritas com mais boniteza…

As pessoas discutem como se elas fossem coisas novas e únicas porque as peculiaridades das grandes mudanças históricas não são encorajadas a serem debatidas de forma corrente pelo conjunto da população. Pelo contrário, são processos de quebra da normalidade, e por isso, são velados, deturpados e romantizados, até que as pessoas se vêem no meio desse movimento histórico, que viola o seu cotidiano, e de repente têm que pensar e dialogar sobre isso, com a cabeça de quem foi ensinado a não pensar nisso. E se começa do zero e com os conceitos pré-estabelecidos pelas instituições dominantes, que são destinadas a blindar o cotidiano de qualquer desvio, por mais surreal que o próprio cotidiano seja.

Então o nosso papel deve ser esse, de manter o debate aceso, os movimentos históricos às claras, mostrar as evidências, e tudo que já foi debatido tantas outras vezes no passado, para que, talvez, a geração futura parta de um ponto de vista diferente.Creio que a minha é uma geração de pelegos porque a gente nasceu ainda sobre a influência de um relativo pacto social que estava acontecendo mais ou menos até os anos 1970. Atualmente, vivemos os resultados do fim disso e o acirramento dos conflitos, cujo lado positivo é a potencialidade de reativar debates e formar uma próxima geração de pessoas conscientes. Escrevo isso porque fico um pouco esperançosa de ver nessas redes pessoas mais novas se deparando pela primeira vez com conflitos sociais e tendo que refletir sobre eles talvez mais cedo do que eu tive. Escrevo também porque é cansativo denunciar sempre as mesmas coisas, e a velocidade das mídias e o acirramento dos conflitos, ambos crescentes, vão tornar tudo mais extenuante ainda pra quem luta, mas deve valer a pena